terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Talvez


Ao mais alto lugar da esperança, subi
O maior desejo de uma verdade pedi
Teu nome gritei, ao vento da procura
Nada se faz ouvir, nesta vontade pura.

Talvez eu não saiba o teu nome pronunciar
Talvez eu não saiba como o devo soletrar
Talvez eu esteja num outro lado, do horizonte
Talvez já bebas, mates sede numa outra fonte.

Troco vogais e consoantes, nesta vã fadiga
Já não sei porque deste querer, ando mendiga
De te chamar, por tanto vale, por tanto monte...

Ajoelho já cansada, rezo em desejo sagrado
Que um dia me ouças, venhas ao meu chamado
Talvez teu nome, seja a vida minha que conte...

(meu soneto no ex-blog Refúgio em 13/06/2006)

6 comentários:

Baila sem peso disse...

Apeteceu-me recordar...
afinal este soneto até pode, de alguma forma,
retratar o meu estar...
tem dias, que a luz vai embora
tem dias, que o coração também chora
tem dias, que na procura
se bordam silêncios, se vestem verdades
tem dias que a veia da ansiedade
é tão mais forte que magoa
e despe o coração à toa...
tem dias...
mas depois desta chuva virá o sol
e debruarei a vida na barra de lindo lençol,
com uma orla de azul celeste
e uma pétala de papoila campestre
tem dias...
em que Paz e Luz será minha veste!

Olinda Melo disse...


Assim seja, querida Amiga!

Que a Luz borde o teu caminho e nas encruzilhadas surjam pontos de luz a mostrar a direcção almejada.
Desejo-te muita saúde e alegria.

É sempre um prazer ler os teus poemas, sejam de agora ou mais antigos. São o canto do teu coração e da tua Alma sensível.

Beijinhos

Olinda

Vieira Calado disse...

Bem escrito, como mandam as regras.
Mas deixe-me dizer-lhe que gosto mais da rima cruzada, do que a emparelhada.
Gostos...
Beijinho para si!

Parapeito disse...

gostei, gostei nina*
sempre bom sentir as tuas palavras.
abraço e brisas doces***

heretico disse...

gostei do poema- muito sugestivo teu blog...

grato pela amizade no FB

beijo

Baila sem peso disse...

Olinda Melo

Olá minha amiga (O)Linda
Como vai a vidinha?
Já o Fevereiro se foi
E correm riachos de orvalho
Numa Primavera florida
Que amanheceu escondidinha
Debaixo de núvem do céu...
Em chão que é meu
Todo o caminho é feito
Acompanhando a preceito
O karma que me diz respeito :)

Pouca a saúde é certo,
E muito contratempo
Mas pronto, as pedrinhas
Também são da natureza
E têm lugar na Vida
Com toda a certeza :)

Espero visitar em breve
O teu espacinho
E deixar-lhe miminho...
E que seja uma Primavera
Cheia de luz e paz no teu caminho!

Obrigada sempre por teu estar
Com tão lindas palavras a deixar!

Beijo sempre com muita amizade
Te encontre e mate do tempo
A falta, afagando a saudade :)

Vieira Calado

Obrigada pelas palavras, poeta!
Não sei se é como manda a regra
Mas ao meu coração a palavra entrega
E sim...por acaso também gosto mais
Da rima cruzada, do que emparilhada
Tenho sonetos das duas formas
Mas é o estado de espírito que dá olhada
E sai poema, sem obedecer a normas :)

Beijinhos também e BOA PRIMAVERA!

Parapeito

Obrigada pelas tuas doces brisas
Aqui e nos outros poemas...
É bom sentir a palavra amiga
A bailar p`las nossas “penas”!! :)

Nina azulinha recebe ternurinha minha**

heretico

Fico contente por teres gostado
Já te tinha por aí observado :)
Mas é tão pouquito o tempo
Que ainda não tinha comentado :)

E quanto a FB nada a agradecer
É bom partilhar com amigos comuns
Como a Maria, que te deu a conhecer :)
E vamos sempre que o tempo o permitir
As alegrias da vida repartir!!! :)

Uma Primavera a sorrir!!!!!
Beijo