quarta-feira, 9 de junho de 2010

Meu rio



Junto ao fundo do teu leito sem preconceito
Passeando com os braços feito barbatanas
Deslizando pelo meio das canas da margem
Afagando os peixes que fazem canoagem
Jogando à bola com os seixos
Circulando na volta de onda de eixos
Escorregando por balancés de lodos
Falando a linguagem dos remoinhos todos
Albergando as dores a montante
Afogando as mágoas a jusante
Rio da minha corrente sempre elegante
Eu te navego de dia e de noite, na vertente
Naufragando na preia-mar do teu estar
Com voz de suspiros de sussuros no ar
Uma flor na foz, eu te reclamo a sorrir
Rio da minha vida, que te sei sem mentir...

Meu rio amado eu te venero, nas veias do meu fado!

12 comentários:

Vieira Calado disse...

Certamente um rio

bom de navegar

pela vida inteira!

Saudações poéticas

helia disse...

Um rio muito bonito descrito num lindo Poema!

Multiolhares disse...

rio que vogamos que tocamos e veneramos rio de vida que temos de percorrer
beijinhos

mmeloup disse...

Rio que vai chegar a um mar. Mas não vai acabar no mar.

Nem o rio há-de morrer. Sem a sua presença não seria o mesmo rio o grande rio salgado.

_____

http://mmeloup.wordpress.com

Eduardo Aleixo disse...

Sobre o teu rio amado
Sorrio com meu olhar alado
Deliciado vou dizer o que vi
Às águas do meu rio,
Aqui....
-
Bjo

Maria disse...

Que continues a navegar
dia e noite na vertente
conjugando o verbo amar
p'ra ficares enfim contente...

um beijo.
:)

clic disse...

Para ficares contente
Com sorriso imaculado
Deixa-te ir na corrente
Nos remoinhos do fado


:)

Baila sem peso disse...

Vieira Calado

Um rio para navegar…
Simplesmente!
A vida a correr e o coração a bater…
:)
Saudações meu amigo

helia

Obrigada pela apreciação
Um rio do meu interior
Deixa um sorriso com rubor :)

Multiolhares

Assim é Luna! Um rio de Vida
Umas vezes calminho
Outras em corrida…
:)
Beijinhos em tua vinda

mmeloup

O mar o acolhe nos braços
O acarinha, o distrai…
E em apertados abraços
Cantam-se as penas e os ais…
:)))

Eduardo Aleixo

E que foi que lhes disseste?
Ficou em segredo, pois então!
Coisas de rios e olhares
Águas, que dão a mesmos mares
No fundo do coração…
:)
Um beijo em doce condição

Maria e clic

Duas quadras bem cerzidas
Com a vossa “dupla amizade”
Duas falas em suaves cantigas
Contente, ser só minha verdade

Pois na vertente da corrente
Com um sorriso imaculado
Farei que me for no ambiente
Da loucura desse vosso fado
:))))

(Isto anda meio de remoinhos
mas quem não canta hoje seus fadinhos?);)

aos que passam caladinhos
na nascente ou foz do meu rio
fiquem com ele bem fresquinhos…
e beijinhos!

poetaeusou . . . disse...

*
no rio do teu olhar,
ouço as margens cantadeiras
nas palavras verdadeiras
que escreve o teu deslizar !
,
fados marinhos, deixo,
,
*

Baila sem peso disse...

poetaeusou

oiço os teus fados marinhos
misturados com teus carinhos...
junto deixo a saudade de te ler
e vou já visitar-te a correr...
ando atarefada, um tantito cansada
por aqui e ali saltando e lendo
e pouco escrevendo...

deixo na troca uma beijoca :)

Valvesta disse...

Olá querida, eu tb tenho um rio, lindo forte e profundo, chama-se são francisco, aqui no Brasil, fica quase em meu quinta, no meu blog, podesse ve-lo em poesia e foto, visite-me e seja bem vinda,bjos.

Baila sem peso disse...

Valvesta

O nosso rio, é sempre um rio a sós...
Da nascente até à foz
faz parte de nós...

Logo que possa te visitarei
beijinho e fica bem