domingo, 18 de maio de 2014

Cidade berço





No espaço interior do ser
Acordando outro amanhecer
Respirando o ventre da essência
Que não o explica a ciência
Cada inspiração, requer expiração
Mas controlando com a emoção
Um coração pulsa devagarinho
Ao ritmo do pulmão, seu vizinho
E sopram-se ventos de procura
Da viagem que sempre não dura
E colhem-se candeias de ternura
Nos olhos brandos de claridade
Que ama e adora a sua cidade...
E bordam-se cais e rio e marés
Pontes, telhados, chaminés
Branco, verde, azul e amarelo
Colinas e ameias de castelo...
E  na tarde que morre devagarinho
Fica o vento doando seu carinho
Na Senhora do Monte que beija
A cidade, Mãe que a ti te proteja
Na Graça, que te foi concedida
Na cadeira da santa ermida...

3 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

E colhem-se candeias de ternura
---------
A ternura faz parte da vida. E é bom que haja muita ternura.
-------
Que a felicidade ande por aí.
Manuel

heretico disse...

uma bela canção a pedir música.
talvez fado.

beijo

Baila sem peso disse...

DE-PROPOSITO

...e é candeia de ternura acesa
quando temos nossos filhos sentados à nossa mesa...
Lisboa, em passeio em Dia da Mãe,
como sabe tão bem!!!
Meu berço e deles também!:)

Beijinhos e obrigada pela tua visita no cantinho e felicidades também no teu ninho

heretico

Fado amigo meu!!!! Que honra seria! Quem dera eu ver um dia, cantada assim a minha poesia!!...tenho nas veias o som da guitarra, a voz da saudade gravada, mas falta-me a garganta com que este dom tanto mundo encanta :)))
Obrigada por teres "sentido" música nas minhas palavras...

Beijo terno