segunda-feira, 3 de maio de 2010

Asas

Com minha mão a tremelicar os passaritos a desenhar...

Pardalitos a trinar, por entre as árvores
Num som bem caprichado e tão repetido
Como se a Primavera lhes doasse ares
No seu andar tão apaixonado e cerzido

Ouvir sua sinfonia, como é certeza
Que lhes envia a apaixonada Natureza
Um passo de mansinho pelo tempo
Se ouve em balada de pedido alento

Vem pardalito, vem pousar à minha beira
Quero beber de ti esse teu rodopiar
E bordar minha vida com teu estar...

Vem que eu quero aprender a voar
Ter na asa, cantiga assim feiticeira
E namorar como tu, no trigo de uma eira!

15 comentários:

Maria disse...

Aqui não oiço pardais. Mas gosto de os ouvir na outra casa, logo pela manhã...
Bonito o teu soneto!

Um beijo.

clic disse...

Primavera dos trinados
De pardais e outras aves
Cânticos enamorados
Uns agudos outros graves

:)

helia disse...

Um lindo Poema com cheiro a Primavera e uma linda Foto! Gostei muito

Valvesta disse...

Lindo ,sou chegada a passaros,livres alegres e cantantes, seja qual for a estação sua presença é sempre uma festa.
beijos querida e boa semana.

a.mar disse...

pardais, andorinhas e melros, abelhas e borboletas
tudo a bailar!

Um abraço!

poetaeusou . . . disse...

*
que bailado ternurento,
é o teu soneto !
,
Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo.
Mas escusam de me atentar:
Nem o tiro, nem o ensino.
Quero ser um bom menino
E guardar
Este segredo comigo.
E ter depois um amigo
Que faça o pino
A voar...
,
in-Miguel Torga,
,
conchinhas deixo,
,
*

Vítor disse...

Vamos passarinhos
comer insetinhos
destroçar suas perninhas
e saborear suas gosminhas

mmeloup disse...

Não se ouvem pardais no Porto, só as pombas e gaivotas que já nem pombas e gaivotas são, por tanto se misturarem ao sujo da cidade.
Quero o meu cantinho de sossego.

________

www.mmeloup.wordpress.com

Eduardo Aleixo disse...

Poema alado, pardaloco, saltitante, leve, simples, inocente e puro: alma de criança na melodia do canto, sinfonia da manhã. Beijo

Vieira Calado disse...

O pardal é um símbolo de liberdade,

não é?

E a Primavera é o chão onde começa a crescer a liberdade!

Saudações poéticas

Multiolhares disse...

Vejo muitos pardalitos por aqui juntos com as pombas e as gaivotas, quando lhes damos pão lá vêm todos a voar, ternurento o teu poema
beijinhos

Áurea disse...

Por causa do "pardalito"e do Vieira Calado dizer que "o pardal é um símbolo de liberdade" com que concordo perfeitamente, lembrou me desta canção que canto com os meninos e que tem um pouco a ver!!!

"Era um passarinho
Que queria voar
E lá no seu ninho
Estava a pensar!!!

Tinha tanto medo
Que olhando p´ró chão
Batia ligeiro
O seu coração

Mas veio um dia
E o sol brilhou
E esse passarinho
Logo esvoaçou!!!"

Bom fim de semana para ti.
Fiz a viagem toda a chover, para chegar a Lisboa.
O tempo está muito incerto, mas enfim!!!
BJO
Aurea

eco disse...

delicioso!

eco

O Profeta disse...

Hoje ofereci as cores da minha paleta
A uma amiga na sua dor
Ouvi seu choro ao meu ouvido
No fatalismo do desamor

Hoje o sono acordou-me
A nostalgia agitou suas asas cinzentas
Esqueci no acordar o ultimo abraço
E contei as nuvens que eram tantas


Doce beijo

Baila sem peso disse...

Agradeço as vossas palavras
e a ternura do vosso dizer
desculpam hoje não vos responder
como é hábito fazer!

Deixo um beijo e um abraço a todos