domingo, 27 de setembro de 2015

Depois da Vida





No ciclo da mãe em tom dourado
A folha separa-se do corpo amado
E vai serenamente pousar na seiva
Outono, que a acolhe como noiva
E na alma da cor que se solta
Vai o colorido da paz envolta
Pousando no céu feito nuvem
Espera metamorfose que vem
Depois das chuvas, luz vera
E um sopro de novo se esmera
E a folha une-se graciosa
Num novo ciclo, verde e airosa...

Assim é o amor da vida que nos enlaça
Na mudança que surge no velho Tempo
Por nós nasce, por nós vive, por nós passa...

Um dia depois da vida, outra vida
Pneuma terá de novo, outra guarida!...

7 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

E somos todos Folhas, com chuva fria de inverno, noivado florido e cheiroso de Março, nervuras sólidas suprtando os calores rijos do estio, e ...sorrisos brandos melancólicos como asas dançantes morrentes nas mãos alaranjadas das brsas pelo céu enviadas em setembro...
Somos todos Folhas...
.....................
Beijo.

heretico disse...

poema muito belo. gostei muito

beijo

Olinda Melo disse...


Querida Baila sem Peso

A vida e os seus ciclos e nós nesse ir e vir, com as nossas esperanças.
É bom ver como a terra se renova, ora deixando cair as folhas, ora reavivando-as com cores e seiva. Assim, também nós iremos deixando cair ideias velhas ou retrógradas, enquanto que o nosso pensamento se vai alteando num renascimento em cada dia.

Beijinhos.

Olinda

Baila sem peso disse...

Eduardo Aleixo

Somos todos Folhas...
E depois de caídas e embebidas
Na terra molhada das vidas
Um dia...dançando ao luar
faremos outras escolhas :)

Obrigada pelo comentário amigo Edu
Um beijinho pa tu :)

heretico

Obrigada pela apreciação
Fico contente quando toco o coração :)

Beijo com afeição

Olinda Melo

Assim é minha amiga (O)linda...
Cada folhinha que cai por aí algures
Outra nasce nem que seja em nenhures
E o ciclo nunca finda!
E a transformação é o ciclo natural
E cada dia é um renascimento
Na morte para outro momento
A vida é renovada...nunca igual...

Muito beijinho por teu carinho :)

Vieira Calado disse...

Haverá sempre
A Poesia
noutras vidas!

Saudações poéticas!

Parapeito disse...

É preciso renovar a esperança...sempre.
Gostei muito.
Abraço**

Baila sem peso disse...

Vieira Calado

Assim seja! Poesia seja aqui ou acolá
Seja...e que se sinta e veja! :)

Saudações aos corações por poéticas razões :)

Parapeito

A esperança de que um dia vem depois do outro
e encontra guarida mesmo em ave ferida...
que renasce e sobrevive cheia de seiva florida
num outro espaço, numa outra vida...

Obrigada por estares aqui minha amiga lobita
desculpa minhas ausências, mas meu coração
tem vezes que gosta da solidão e daqui "desabita" :)

Abraço**