segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Baile nocturno

A noite estava escura, sem ouvidos

Noite vestida de suave lua cheia

E assim como quem passeia

Fui na procura, dos meus sentidos…


Entrei na água salgada e nadei

E na curva do mar com um golfinho conversei

Senti a magia em que Neptuno era rei

Ao som das ondas com os peixes dancei…

Quando já estava cansada cresceram-me asas e voei!


Só então percebi…estava a dormir e acordei!


Os sentidos? – Não sei, a lua cheia o baile encantou

E todos os meus segredos, num sorriso ela guardou!

4 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

E todos os meus segredos, num sorriso ela guardou!
-------------
Se alguém os guardou, deixaram de ser segredos. É que só são segredos, enquanto só nós formos os detentores deles (dos segredos).
fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

DE-PROPOSITO disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
tinta permanente disse...

Há muita frescura neste poema de mar, de encantamentos e segredos.
Sobram aromas de voltar...
É só (continuar a) escrever!


abraços!

EternaApaixonada disse...

*****

A blogoesfera ganhou mais um lindo presente: a sensibilidade de seu coração a derramar palavras em seus delicados poemas!
Seja bem vinda e que nos encante sempre com a leveza e beleza do seu bailar!
Hoje meu dia se tornou radiante e era preciso, pois meu coração ontem deixou de bater...como devia e esperava... Suas palavras trouxeram a visão de esperança, de suavidade, de calma...
Obrigada, mais uma vez pela oportunidade de aqui chegar!
Beijos

*****