segunda-feira, 16 de março de 2009

Pedra Violeta


Tenho uma linda boneca de pedra

Deitada sobre suave almofada

Seu corpo envolto em lençol de seda

Seu sono leva voando, sonhos de fada.


Não lhe toco, não a olho, não lhe falo

Nem a quero acordar do seu leito

É de cor violeta feito um embalo

Embeleza o meu canto, ao seu jeito.


A ladainha, que escuta quando estou cansada

Talvez ela tenha para mim guardada

Quando sussurro baixinho, em meu querer.


Num dizer, em que me sinto desfalecer

Talvez ela seja uma primavera a crescer

Bonequinha, feita pedra que se faz amada!

4 comentários:

notyet disse...

E já eu pensava que também para obras ia, mas afinal aqui continua a nostalgia.
Beijinho

Teresa Durães disse...

prefiro abraçar e embalar-me. Miúda fazia com um ursinho!

alcinda leal disse...

Hoje vim com mais tempo,li vários poemas e gostei do que li, porque acho genuíno e sentido.
E a poesia é mesmo assim ou a sentimos e é muito bela ou não a sentimos e não conseguimos achar-lhe
graça.
Pelo menos eu sinto assim!
boa noite e um beijinho
Alcinda

tinta permanente disse...

Alguma boneca já mereceu soneto assim?... Não creio!

abraços!