quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Choro do céu



Nos telhados das nossas vidas
Caem gotas de orvalho sentidas
O céu, que canta Outono em guaridas...

(Quantos cantam sorrisos, em lágrimas
que se resguardam nas suas cismas

e se escondem debaixo de suaves rimas?!...)


Céu que lavas as mágoas, da terra das gentes
Num choro tão teu, diferente do meu, diz-me:
- Porquê telhados tão tristes, outros tão contentes?

17 comentários:

Ana Luar disse...

Tv porque a vida seja mesmo feita de risos e sorrisos.

Fa menor disse...

Porque é assim a vida.
As lágrimas também lavam.

Bjins

poetaeusou . . . disse...

*
amiga,
um belo e profundo poema,
,
telhados de barro
barrentos de vida
salpicando a gente
povo indolente
de pensar parado
sem eira, nem guarida,
,
minha amiga,
um profundo jinho,
deixo.
,
*

notyet disse...

Talvez porque alguns tem telhados de vidro

sérgio figueiredo disse...

Fossem as palavras o guia das nossas vidas e tudo seria mais próspero, digo eu.

Não estamos dependentes delas, mas sim, do destino que já nos está traçado, mas desconhecido, inatingivel, para a nossa mente.

Resta-nos, então, SABER aceitar as tristezas e as alegrias que vamos tendo, acarinhando, assim, os "telhados" que nos acolhem.

bj...nho

Vivian disse...

...quão desafiador é viver!

ora em brancas nuvens,
ora em céu tão gris!

ambos nos ajudam o lapidar
da alma.

bjbj, querida!

clic disse...

Devem ser saudades... Eu tinha... :)

Eduardo Aleixo disse...

Poema simples e profundo. Assim deve ser a poesia. a TUA, É.

Maria disse...

Lindo poema. Chora o céu e por vezes chora o nosso coração.
Bom fim de semana
bjs do tamanho do infinito
Maria

avezinha disse...

Amiga, pressinto que o teu coração chora. Não tardará que o telhado que te abriga "deixe passar o sol" e te encha de alegria. Apesar de não te conhecer, algo me diz que o mereces.
Um beijinho.

Rolando disse...

Oi. Muito demais lindo. Apareça lá no meu blog. Abraços.

Vlinder disse...

Se as minhas asas
Que se debatem no bolso
Me trazem aqui

Se com minhas asas
Pintadas, caiadas, sujas
Chego até aqui

É neste telhado que pouso
Que rezo, nao fujas
Cantarei sempre p'ra ti

helia disse...

"Céu que lavas as mágoas, da terra das gentes..."
Que lindo Poema! Parabéns.

eco disse...

será que alguém sabe?

eco

Baila sem peso disse...

Ana Luar

Ah...quem dera fosse assim!
No luar a luz sorria p`ra mim
No sol-pôr era o riso sem fim
Roda vida, de anjo serafim...
Ah...mas tem dias que ela é ruim
E é choro, como menina sem consolo...

Um brilho de luz de luar...

Fa menor

Tens razão minha amiga musical
A s lágrimas são necessárias
As do céu por um motivo
As nossas, com outro sentido...
Ambas lavam a vida de algo ressequido!

Beijinho musical

poetaeusou

Talhados de barro
como todos somos...
uns são vermelhos
outros cinzentos
todos barrentos
ou feitos de vidro...
mas telhados de vida
que esconde a gente
umas vezes triste
outras contente...
e se vai na chuva
molhada de lágrima
em rio corrente...

Retribuo na profundidade
essa tua boa amizade

notyet

Todos os telhados se partem
Sejam de vidro ou de barro
Quando a chuva é com dor
Fica o santinho no andor
E a procissão sai do adro
Com a lágrima em flor de jarro...

Beijinho em comunhão de sentido

sérgio figueiredo

Sem dúvida que o destino está traçado
Só que desconhecemos o que está talhado
E ainda bem que assim é...
Telhados são para proteger
E Saber aguentar a vida de pé!
Alegrias e tristezas vêm sempre na maré!

As palavras são sem dúvida preciosas
Mas o silêncio faz delas, por vezes vaidosas!

Bj...nho a quem vem com carinho

Vivian

Sem dúvida minha amiga, é um desafio
Que nos trás a todos presos por um fio
Em tons de branco, gris, rosa ou azul
Formando arco-íris, em véu de tule
Ou serenata de lágrima de alma
Que anseia a derradeira calma...

Bjbj querida amiga, com carinho por guarida

clic

Ai saudades destas do céu, também eu!
Das outras, também isso me pareceu...
E tu que és um miminho de gente
Que sempre te vejo, fico contente

Eduardo Aleixo

Obrigada Eduardo pela simpatia
Faço a poesia com tristeza, ou alegria
Levezinha, planando simplesmente
No coração de gente que como tu, a sente

Maria

Na verdade é mesmo assim...
O choro é um bem que lava alma
E na Terra o seu amâgo se limpa
Ficando preciosa como marfim!

Bjs do tamanho que for permitido ao sentido

avezinha

Faleceu uma amiga de muita afeição
tinha já uns dias...ainda o não sabia
vais ver que o meu coração
soube mais rápido que a razão...
tenho gravadas neste cantinho
suas falas antigas, de muito carinho!

Obrigada por “pressentires”
A dor que trás estes sentires...

Um ou dois beijinhos se dão com carinhos

Rolando

Rolando, foi dizendo
Muito demais lindo...
Agradeço a simpatia
Ao seu cantinho, irei indo

Abraços sorrindo

Vlinder

Se as tuas asas voaram até mim
E nos telhados do choro pousaram
E nas telhas também cantaram
É porque tinha de ser assim...
Só tenho de agradecer às tuas asas
A ternura e carinho que me deixaram!
Vou tentar não fugir...
Para te continuar a ouvir!

helia

Obrigada pela simpatia
No gosto pelo poema
Que fala das lágrimas
Do céu e das mágoas...
Dos que vivem...
e têm as águas por lema!

A ternura por aqui, como sempre a vi!

eco

E o eco responde longínquo
Sabe?!...abe...abe...abe
E a resposta bem dentro:
Quem sente...ente...ente
O riso e choro de gente...
Numa vida repetida
E na troca da água, pungente
Outras vezes, tão contente...
Como na Primavera a flor ao Sol
E no Outono a folha em caracol...

quando escrevi este poema
a minha veste era de tristeza...
talvez já adivinhasse,
um luto ainda na incerteza!
E hoje deixo meu
“descansa em paz, alma serena”
na luz que me ouvirá em sua grandeza!

Coralina disse...

É engraçado como certas metáforas podem fazer com que as verdades do quotidiano pareçam mais bonitas. Pode ser que esses telhados tristes consigam por vezes ser mais contentes =) gostei muito!

Baila sem peso disse...

Coralina

Na verdade a palavra é tão vaidosa
Que ao ser por vezes elegante e tão triste
Consegue metaforicamente, tão ociosa
Transparecer beleza onde ela pouco existe...

Enfim...obrigada na tua ternura p´a mim!:)