quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Coração na brisa

Acrílico em tela
Em cada lado de uma saudade
O vai-vem de um sopro em claridade
Que finaliza o fim do Verão
Que fala por mim, assim:
- Teu afago se guarda no coração!
Bordado com a sede de sã ansiedade
Ainda que no ar somente de visita
Ande em mim, alma de pomba bendita...
Que pensa por mim, assim:
- Porque não pode o sol e a lua
Serem a medalha da face minha e tua
E andarem de mão dada na intimidade
Que é doce modelo, da suave metade?!...

- Por nada, não!...responde o eco da ilusão...
- Guarda-me no coração, carinho meu
Que na outra face do ser, já eu tenho o teu...

E ambos assim por dentro, movimento de luz
Afagaremos o caminho da vida que nos conduz...

E que mal tem?...na brisa teu doce cheiro, sempre vem...

11 comentários:

Maria disse...

Nem sei comentar o teu poema... é só doçura :)

Beijinho.

poetaeusou . . . disse...

*
amiga,
um belo Poema,
,
o bordado
das palavras tuas,
enfeita as ruas
para passar o vento
onde eu ao relento
procuro a razão
pedindo ao verão
que apresse o Outono
para tomar o trono
que eu tenho guardado !
,
brisas ventosas,
deixo,
,
*

notyet disse...

Pois é.
As brisas quando doces e serenas sempre afagam a alma e nos dão a ansiada calma.
São ideais após as tempestades.
Beijinho devagarinho

DE-PROPOSITO disse...

E que mal tem?...
-------
A subjectividade da palavra 'mal'! É que 'mal', pode ser 'bem'.
----------
Felicidades

Fa menor disse...

Uma brisa suave...

numa suave brisa.

Bjins

Eduardo Aleixo disse...

Doce afago de pomba
nas duas faces do coração
juntas
mão na mão
levadas pela brisa
do amor
não é ilusão, não!

Baila sem peso disse...

Maria

Mas comentaste...
E o teu sorriso doce, deixaste!
Obrigada pela tua presença!
Por vezes só olá, faz a diferença
Desde que seja com a verdade
Com que aqui vieste!:)

Beijinhos

poetaeusou

Nas brisas ventosas, em sorriso desenhado
Senti o perfume bordado, do teu poema
Como na razão Verão se recolhesse afagado
Num Outono que lhe toma o lugar em lema!

Obrigada pelo teu docinho
Sempre que passas aqui no caminho...:)

Beijinhos

notyet

São sempre ideais, quer depois ou antes...
Que interessa mesmo na verdade
É a paz que a brisa, levante na realidade
No corpo da brisa, do vento e seus amantes!

Obrigada pelo teu dizer mansinho
Junto com o beijinho devagarinho:)

Beijinhos

Fa menor

Sim, é isso que pretende ser
Uma brisa suave para mimar
A vida da gente
Que já tem tanto a padecer!

Obrigada por teres vindo respirar
A brisa que deixei, para no tempo suavizar!:)

Beijinhos

Eduardo Aleixo

Não, na verdade não é ilusão
É uma procura intensa
Da Paz que está no coração
E teima em fugir da mão...
Brisas de Outono, pois então!

Com o meu muito obrigada
Por passeares na brisa da minha estrada:)

Beijinhos

como a brisa que passa assim ficam
beijinhos aos que não se identificam :)

Ana Luar disse...

E que mal tem estes sentires tão puros?

Baila sem peso disse...

Ana Luar

penso que mal nenhum!
um sentir, como qualquer um! :)

Obrigada Ana Luar
(lindo nome a pronunciar)
por teres feito visitinhas ao meu bailado
que ficou de ternurinhas encantado!:)


Beijinhos

Hanukká disse...

E saudade dos que nada teve, saudades imaginadas, perfumes des flores que nem se abriram, ainda em botões exalam o odor do amor.

Baila sem peso disse...

Hanukká

Falas em saudades, de botões
das flores meninas e seus corações?
Daquelas que foram sem se abrir
mas continuam no coração a florir...
sei...saudade, é saudade
e a Paz da Vida se faz nesta medida:
Amor...o bem maior!

beijinhos