quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Sonho meu


Adormeço pedindo a Morfeu
que me deixe beijo teu
em cima de almofada
com uma flor desenhada
e depois ainda a preceito
espreito a Lua a meu jeito
e vejo nela a claridade
que me dança na saudade
e canto aquela melodia
que foi tua prenda um dia
e depois, bem aconchegada
em lençóis de linho deitada
ainda em luz de efeito prata
como fitinha que se desata
na dobra da minha janela
como se fosse a cinderela
vejo-te em teu cavalo alado
solto na lua, em verde prado
e encanto a minha alquimia
num pote da branda sinfonia
que transforme em puro mel
o som do trote do teu corcel
numa plantação colorida
de flor lilás, pura em magia
e espero por ti...
oh...amado meu...
isto tudo dei eu a Morfeu
e ele se deixou afagar
e só o sonho me devolveu!

8 comentários:

Vieira Calado disse...

Bom ritmo e sonoridades

neste bonito poema!

Saudações poéticas.

Beijocas

Eduardo Aleixo disse...

Gosto da tua poesia, simples, bonita, gaiata, pura, inocente...Ao ler-te fico mais puro, mais lavado. Respiro mais leve. Obrigado.

Fa menor disse...

Impressionam-me sempre os teus poemas fluentes.

Bjins

Maria disse...

Já te disse que admiro a tua capacidade em rimar.
E num poema deste tamanho... ó balha-me deus...

Beijos.

clic disse...

Já dormia a cinderela
Chegaram flores aos ramos
Eram todas para ela
"Pelo sonho é que vamos"


:)

poetaeusou . . . disse...

*
um belo poema !
,
que saudades
eu tinha já
e agora que estou cá
logo me aconteceu
mas quem é este Morfeu
quem será, quem será,
por favor vá lá, vá lá,
eu não lhe faço maldades !
,
um mar de estima,
fica,
,
*
,

DE-PROPOSITO disse...

e só o sonho me devolveu!
---------
Por vezes o sonho esfuma-se.
---------
Felicidades.

Baila sem peso disse...

Meus amigos, agradeço a vossa presença
e desculpem a minha ausência
mas ando deveras cansada
com pequenas coisitas miúdas
que se fazem gigantes de estrada.
Voltarei logo que possa
e sem pressa
a visitar o vosso cantito
logo que não me faça “mossa”
e vá tendo mais tempito!
E talvez assim sonhando
vou este “meu fado” cultivando
como nos versinhos, sonhando:
E “É tão bom ser pequenino
Ter pai, ter mãe, ter avós
Ter esperança no destino
E ter quem goste de nós!...”
Beijocas poeta Vieira Calado
E obrigada por carinho demonstrado...:)
Eduardo Aleixo levezinho te deixo
Com carinho, que tu expressas no meu cantinho...:)
Fa menor com palavra de melodia
É uma menina que me enfeita o dia...:)
Ai Maria Maria, a rima não é tudo
para fazer poesia mais é preciso, contudo...
“ó balha-me deus” !!...
como sorriso no meu rosto apareceu!:)
E após um clic tão engraçado
a cinderela fechou os olhos
viu tudo com ar mais animado
eram só flores e flores aos molhos!:)
E vieste matar a saudade poetaeusou
tanto tempo, que ao teu cantinho não vou!...
Eu sei,
desculpa sim!?? Prometo que irei,
antes que faça anos o Rei!
(qual?não importa...importa que voltarei!)
E meu amigo, perguntas por Morfeu...
acho que foi um ar doce que me deu
pois Hipnos não me deixava sossegar
e precisava tanto descansar!!! ...
E ficou o mar cheio de ébano a nadar!:)
E ora bem, foi DE-PROPOSITO
que Morfeu se entregou no meu sonho...
sabes, ando tão terra-a-terra nesta vida
que acho, do “outro lado” me deram guarida...
sem se esfumar, sempre a acreditar...
na terra do meu sonho,
onde só adormece, quem eu ponho!:)

Obrigada a todos e peço desculpa
Só o cansaço e embaraço, me dá a culpa...
Voltarei às vossas casinhas
Assim que acertar agulhas nas linhas!:)