segunda-feira, 4 de maio de 2009

Suspiros


Beijo-te em cada silêncio, que por nós passa
...e cada suspiro usará perfume, que por ti se enlaça...
passado, presente, futuro...tudo deixou de ser ameaça.

Todo o minuto vivido de acordo com o que por mim se solta
umas vezes em riso, outras em choro
...no Tempo é o tesouro
que me trás envolta...

Por perceberes que esquecimento
está fora da nossa jornada
te digo: bebe só o momento
que passa da noite, à madrugada...

um dia quem sabe, nos daremos
numa outra estrada
em abraços de outro pensamento
em murmúrio de vagas em alento...

Agora, apenas suspiramos no sussurro do vento...

8 comentários:

notyet disse...

Parece lamento de amor sentido
envolto no vento, e assim perdido

Maria disse...

um amor num outro tempo...
melhor mesmo é vivê-lo hoje!
Mas eu gostei do poema.

Beijos

Teresa Durães disse...

gostei bastante do que li. beber esse momento

tempusinfinitae disse...

O que o vento leva volta a sussurrar.

Gosto deste poemar, lento, sem importar nada mais que o sentir.

E da fotografia da flor violeta. Gosto.

Vieira Calado disse...

O vento tudo sabe.

Escutemos o seu murmúrio!

Cumprimentos meus

tinta permanente disse...

Um dia quem sabe...Até lá, a palavra-perfume envolve o tempo. E dá temperança...
Bonito!


abraços!

DE-PROPOSITO disse...

Beijo-te em cada silêncio,
-------------
Um sonhar que se beija alguém. Creio que acontece a muita boa gente.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

as velas ardem ate ao fim disse...

eu choro.

um bjo