terça-feira, 30 de junho de 2009

Coração romã


Enrolei meu coração num trapinho de lã
Perfumei-o com aroma de verde hortelã
Atei-o com vime, trançado pela manhã!

Esperei a Lua, no céu se deitar
Vi o Sol a sorrir, no seu acordar
E na onda da maré, o atirei ao Mar!

Não sei se ele sabia para onde ir
Não perguntei se queria assim fugir
O desejo era proteger, o seu sentir...

Sentada na pedra salgada, vi-o partir
Queixume no ar, de quem parte a sonhar
Navegava em trapinho, corpo de romã...

Um dia, quem sabe...volta para mim
Cheio de saudade, num abraço sem fim!

10 comentários:

clic disse...

Num abraço sem fim
Cheiinho de saudade
Voltarás para mim
Não será novidade

:)

Vieira Calado disse...

Um poema muito gentil!

Bonitinho e leve.

Bjs

PreDatado disse...

se o coração
não era de papelão
e não se desfaz feito sabão
voltará então
e com mais razão
baterá tlim-tlão!

Teresa Durães disse...

há-de regressar e contar novidades!

as velas ardem ate ao fim disse...

vai regressar.acredita!
um abraço apertado

A.Caeiro disse...

Sempre agradável visitar este espaço.
Mts. Parabéns!

tinta permanente disse...

Como se fora frescura de uma manhã criada pela Primavera derramada em erva fresca!...
Gostei!

abraços!
www.tintapermanente.com

Valdemir Reis disse...

Amiga visitando e compartilhando:
O valor da amizade?
“Quantas vezes são os amigos que nos fazem sorrir quando tínhamos vontade de chorar, mas a sua simples presença traz de volta o sol a brilhar em nossa vida.
Entretanto, não existe só alegria, amor, felicidade nesta relação que como em qualquer outro relacionamento, passa por crises passageiras, por momentos intempestivos, abalos ocasionais.
Podemos comparar esse elo de amizade ao tempo que passa por alterações climáticas constantemente, mas é dessa forma que aprendemos a nos conhecer, compartilhar momentos, que se desenvolve uma amizade.
É na amizade verdadeira que encontramos sinceridade, lealdade, afinidade, cumplicidade, simplicidade, fraternidade.
Amigos são irmãos que a vida nos deu para caminhar conosco ao longo da nossa jornada espiritual, extrapolando os limites do tempo, continuando quando e onde Deus assim o permitir.” Autora; S. Quevedo Nogueira
Permita deixar um recado o nosso Blog www.valdemireis.blogspot.com está participando do “CONCURSO TOP BLOG CATEGORIA VARIEDADES”. Fique a vontade. Honrado e feliz, antecipadamente agradeço por sua visita e voto, meu muito obrigado!!! Desejo uma semana repleta de realizações, muitas bênçãos, paz, saúde e proteção, brilhem sempre! Fique com Deus. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Sucesso.
Valdemir Reis

em azul disse...

São deliciosos os abraços... sem tempo e sem fim!

Beijo
em azul

alcinda leal disse...

Este poema comoveu-me!
Em parte porque me lembra algo da infância,da rima directa, de coisas pueris, de ternura...
Gostei muito e pronto!
Beijinhos
Alcinda